Siga-nos:

Facebook

Nutrição

O ZIZILE sentiu necessidade de intervir na área de nutrição devido aos elevados índices de desnutrição crónica existentes no país. Os últimos estudos constataram que cerca de quarenta e quatro por cento das crianças em Moçambique sofrem de desnutrição crónica ou baixa altura para a idade (MICS 2008).

A desnutrição crónica é definida como baixa estatura para a idade e é causada pela desnutrição aguda (definida como baixo peso para a altura) na fase da vida entre a concepção e os primeiros dois anos de idade e não é tratada. Este período é considerado crítico de que diz respeito ao desenvolvimento do corpo, pois os danos causados não podem ser recuperados depois dos dois anos de idade. Assim, a desnutrição crónica, é causada pela desnutrição tanto da mãe antes e durante a gravidez e na lactação, como da criança durante os primeiros dois anos de vida, com metade da falha no crescimento a acontecer ainda dentro do útero e a outra metade após o nascimento. Esta falha precoce de crescimento aumenta a mortalidade na primeira infância, sendo responsável por um terço das mortes em crianças menores de cinco anos em Moçambique. Além de representar uma das principais causas de morte, a desnutrição crónica pode trazer danos irreversíveis à saúde durante todo o ciclo de vida. O risco de contrair doenças infecciosas é maior; existe maior risco de vir a sofrer de doenças degenerativas como as diabetes e a obesidade; verifica-se também a diminuição da função cognitiva, resultando na diminuição do desempenho intelectual; e a fraca capacidade produtiva e física que leva à diminuição da capacidade para o trabalho.

A nível financeiro, a desnutrição crónica tem custos muito elevados para o país. Se a problemática da desnutrição crónica não for sanada vai ter consequências muito negativas para o país, quer a nível económico quer social. Além disso, a desnutrição crónica também representa uma falha por não fazer valer progressivamente os direitos humanos dos moçambicanos, especialmente o Direito à Alimentação Adequada e o Direito à Saúde.

O Governo de Moçambique reconhece que a desnutrição crónica é um dos mais graves problemas do país, comprometendo negativamente o seu desenvolvimento económico e humano. Deve por isso existir uma abordagem urgente e de escala nacional, que permita reduzir a desnutrição crónica em Moçambique, sendo esta considerada uma área prioritária do Governo.

Sobre a problemática da desnutrição crónica, foi realizado um seminário em Março de 2010, que culminou com a assinatura de uma declaração de compromisso entre o Governo de Moçambique, os parceiros de desenvolvimento, a sociedade civil e o sector privado para uma resposta acelerada na prevenção da desnutrição crónica em Moçambique. De forma geral, o presente plano objectiva reduzir a desnutrição crónica em menores de 5 anos de 44% em 2008 para 20% em 2020.

O ZIZILE - IDC, como organização da sociedade civil tem o dever de desenvolver acções que visem combater a desnutrição crónica infantil em Moçambique. Desta forma, o trabalho do Instituto ao nível da nutrição passa pela formação das equipas das escolinhas comunitárias, famílias das crianças que frequentam as escolinhas e as comunidades em que elas se inserem. As actividades desenvolvidas visam melhorar o estado nutricional das crianças na primeira infância, acompanhando e controlando o seu estado nutricional; promovendo boas práticas de higiene; difundindo os processos adequados de manipulação dos alimentos; e proporcionando uma alimentação saudável.

A avaliação nutricional das crianças é uma actividade realizada com o intuito de conhecer o estado nutricional das crianças e tratar e encaminhar os casos de desnutrição.

As oficinas de “Alimentação Saudável” têm como objectivo melhorar a qualidade da alimentação das crianças nas Escolinhas Comunitárias onde o Zizile intervém. Os conteúdos abordados passam pela definição do conceito de Alimentação Saudável, grupos de alimentos e fontes alimentares. São indicados os alimentos mais saudáveis e os que devem ser eliminados da dieta alimentar das crianças. Estas actividades também são dirigidas aos pais com o objectivo de melhorar a qualidade da alimentação das crianças e das suas famílias no seu seio familiar. Auxiliando os encarregados de educação na confecção de refeições, utilizando alimentos saudáveis e variados.

Devido às carências que atingem as comunidades vulneráveis onde o ZIZILE intervém, é importante ensinar-lhes a fazer o uso integral dos alimentos, rentalizando os alimentos disponíveis aproveitando ao máximo os seus nutrientes.

Uma vez que as escolinhas têm dificuldade em adquirir os alimentos necessários para proporcionar uma alimentação equilibrada à criança, o Zizile sentiu a necessidade de contribuir para a manutenção alimentar das quatro Escolinhas Comunitárias através da disponibilização de bens alimentares essenciais.